Liberdade

No período de escravidão a liberdade era algo de extrema importância e de um valor inestimável, seus principais clientes eram os negro (escravos) a alforria era a liberdade tão almejada por tais, uma suposta liberdade de valor moral inestimável. Mais muitas vezes tais escravos ainda continuavam a trabalhar para seus patrões, uns por realmente serem leais, outros por falta de opção.

Ser livre é ter livre arbítrio, é o homem ter autonomia em seus atos, na sociedade atual esse Direito fundamental é assegurado na constituição federal de 1988 eu seu artigo 5, mais o interessante é que o homem não de certa forma valorizar essa liberdade, e só quando perde e que consegue entender o quanto é importante e o quanto é necessário na vida de um ser racional. Esse princípio fundamental do homem já foi muito contestado, pois sem opções de escolha você não é livre, e sim “vigiado” o ser livre é aquele que sabe viver sem comprometer com coisas supérfluas para seu crescimento intelectual, cultural, religioso, logo todas essas características do homem em sociedade é de certa forma exercer liberdade. A sociedade limita a autonomia do ser humano, pois serve como um controle de condutas erradas que posteriormente pode acontecer de privar-se do direito a liberdade, sofrer sanções da lei.

Portanto liberdade é opção de escolhas (livre arbítrio), e livre arbítrio e saber dosar sua atitudes e emoções em sociedade, logo controlando seus atos a liberdade é algo freqüente em sua vida, até pra errar você é livre mais se esse erro atingiu terceiros logo sua conduta vai ser reprovada pela sociedade, e sofrera uma suposta contestação de sua preciosa liberdade.


Diego Humbelino Duarte
Idade: 19 anos
Curso: Direito, 3 períodos pelo Centro Universitário Luterano de Manaus.
E-mail: diego_duarte15@hotmail.com


Pesquise abaixo sobre filosofia:

Elaborado e Idealizado por Rosana Madjarof — Mantido por Carlos Duarte